Desmonte do SUS e saúde mental foram temas do Programa de Rádio do CRP-MG

Entrevista foi exibida em 10 de outubro, Dia Mundial da Saúde Mental

Nesta quarta-feira, 10/10, para marcar o Dia Mundial da Saúde Mental, o Psicologia em Foco no Rádio abordou temas como desmonte do Sistema Único de Saúde (SUS), reforma psiquiátrica e garantia de direitos. A entrevistada da semana foi a psicóloga e médica, Miriam Abou-Yd.

Ouça a entrevista completa.

Em 2018, a luta antimanicomial completou 31 anos de conquista de direitos no que tange à saúde mental dos brasileiros. A reforma psiquiátrica surgiu no fim dos anos 80 e trouxe um novo modelo de assistência à saúde mental, que prioriza serviços que incluem e integram os pacientes à vida cotidiana. No entanto, com o desmonte do SUS, essa integração está ameaçada.

Miriam Abou-Yd explica que o SUS é uma das políticas mais importantes do nosso país e que, por isso, devia ser considerado patrimônio brasileiro. “Sua importância e potência repercutem positivamente não apenas na vida dos usuários da saúde mental, mas de toda população”, completou.

Quando perguntada sobre a reforma psiquiátrica, a psicóloga disse que a reforma só existe devido ao SUS. Para ela, os princípios do sistema, como a universalização, a equidade e a integralidade, são determinantes para se chegar à reforma psiquiátrica. “Esta reforma se propõe a garantir direitos independente do sexo, da raça e de classe social, diminuir as desigualdades e a considerar as pessoas como um todo, atendendo a todas as suas necessidades”, pontuou.

Miriam também ressaltou que, a Psicologia, em especial, tem um histórico de lutas pela redemocratização do país e, por isso, “deve ser parceira em um movimento de defesa do estado democrático de direito e resistência”.